Sexta-feira, 14 de Agosto de 2020

BRASIL
Quinta-feira, 16 de Janeiro de 2020, 08h:17

Saúde

Primeiro dia de ação tem vistoria em quase 7 mil imóveis e mais de 400 focos do Aedes eliminados

Somente no primeiro dia de ação de combate ao Aedes Aegypti quase sete mil residências foram vistoriadas e mais de 400 focos do mosquito eliminados. As ações acontecem até sexta-feira (17) e a previsão é que os agentes visitem inspecionem 19 mil imóveis.

Ao todo foram vistoriadas 6834 residências em todas as regiões de Campo Grande, sendo a maior parte delas na região do Anhanduí, onde foram mais de 1,5 mil imóveis inspecionados. Lá foi o segundo local onde os agentes mais encontraram focos do mosquito, sendo eliminados 104 criadouros, atrás apenas dos 107 da região do Segredo.

Na região do Lagoa foram 1124 imóveis vistoriados, sendo que apenas 36 focos foram eliminados, sendo a região com o menor número de criadouros eliminados. Outra região que forma encontrados poucos focos de proliferação do mosquito foi a do Imbirussú, onde 868 imóveis foram vistoriados e somente 38 focos eliminados.

No centro da cidade, foram 47 focos eliminados nos 772 imóveis vistoriados. Na região do Bandeira, os agentes visitaram 1022 casas e encontraram 54 criadouros do Aedes Aegypti, que também foram destruídos, assim como os 62 encontrados no Prosa. Nessa região foram 728 residências inspecionadas.

DSC07145-300x169.jpg

 

Além da quantidade de focos encontrados, outro número alarmante é a quantidade de imóveis fechados, sendo 39% das casas onde os agentes tentaram entrar. Cientes desse número elevado, os supervisores de área adotaram como estratégia o mapeamento de um número duas vezes maior de residências. “Nós temos como objetivo vistoriar 1500 casas nessa região, por exemplo, mas mapeamos 3000 justamente sabendo da quantidade de residências fechadas e de negativas que nossos agentes podem receber” explica o chefe de serviço de combate ao Aedes Aegypti, Vanderlei Rossati.

Dados epidemiológicos 

Os dados epidemiológicos relativos aos 15 primeiros dias do ano mostram um número significativo de notificações de suspeitas de dengue feitas ao serviço de vigilância epidemiológica. Desde o início do ano foram 284 notificações, sendo que um óbito, de um homem de 30 anos, já foi confirmado.

Além dessas ainda foram registradas três notificações de Zika Vírus e uma de Chikungunya, que ainda estão passando por processo de avaliação laboratorial para confirmar ou não as suspeitas.

Durante todo o ano de 2019 foram registrados 39.417 casos notificados de dengue em Campo Grande, sendo 19.647 confirmados e oito óbitos.

Apesar dos números expressivos impulsionados pela epidemia do último ano, o mês de dezembro fechou com aproximadamente 45% a menos de casos registrados no ano anterior. 

DSC07151-1024x575.jpg

 

Infestação pelo Aedes

Foi divulgado ontem (14) o LIRAa (Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes Aegypti), onde pelo menos sete áreas foram classificadas com o risco de surto de doenças transmitidas pelo mosquito.

O número de áreas em alerta praticamente dobrou, em comparação com o último LiRaa divulgado em novembro do ano passado, passando de 22 para 42 áreas. Dezoito áreas permanecem com índices satisfatórios. O índice mais alto foi detectado na área de abrangência da USF Iracy Coelho, com 8,6% de infestação. Isso significa que de 233 imóveis vistoriados, em 20 foram encontrados depósitos. A área da USF Azaleia aparece em segundo com 7,4% de infestação, seguido da USF Jardim Antártica, 5,2%, USF Alves Pereira, 4,8, USF Sírio Libanês, 4,4%, Jardim Noroeste, 4,2% e USF Maria Aparecida Pedrossian (MAPE), 4,0%.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

icon-onibus

Rua Dr. Napoleão Laureano,13 - Bairro Santo Antonio - Campo Grande/MS

fn.jornaldoonibus@hotmail.com - CEP: 79100-370