08.11.2017 | 08h43 - Atualizado em 08.11.2017 | 08h45
Tamanho do texto A- A+

Inflação de outubro fecha em 0,28%

Índice é o menor para o mês de outubro desde 2006, segundo o Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais da Uniderp

Cidiana Pellegrin

O Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande (IPC/CG) fechou outubro em 0,28%, segundo o Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais (Nepes) da Uniderp. A taxa é mais baixa que setembro, quando registrou 0,33%, e no comparativo da série histórica dos meses de outubro é a menor desde 2006, quando atingiu -0,08%.

De acordo com o coordenador do Nepes/Uniderp, Celso Correia de Souza, os principais responsáveis pelo resultado do índice foram Vestuário (1,76%), Alimentação (0,74%), Transportes (0,33%) e Educação (0,09%). As maiores baixas ocorreram com os grupos Habitação (-0,26%), Despesas Pessoais (-0,21%) e Saúde (-0,10%). "A inflação ainda permanece controlada, pois na análise da inflação acumulada as taxas estão bem abaixo da meta inflacionária fixada pelo governo, o que indica que as medidas econômicas tomadas pelas autoridades vêm dando certo, surtindo os efeitos esperados. Com isso, tem diminuído o valor da taxa Selic, que está atualmente em 7,5%, sinalizando que os juros podem baixar mais, dinamizando o setor econômico brasileiro, com geração de emprego e renda", explica.

A inflação acumulada nos últimos 12 meses ficou em 2,38%, índice abaixo do centro da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), que é de 4,5%. No período, a maior taxa em relação aos grupos é do Vestuário, com 12,01%, seguindo de Transportes e Habitação, com inflações acumuladas de 4,12% e 3,60%, respectivamente.

No acumulado do ano, ou seja, em dez meses, a inflação registrada subiu para 1,78%, taxa ainda baixa quando comparada com anos anteriores. "Observamos que o único grupo que está destoando em relação às inflações acumuladas é Vestuário, que teve inflação acumulada de 8,10%, muito acima do índice acumulado geral do período. Esse grupo mudou sua tendência de queda – notadas nos três últimos meses antecessores - apresentando essa forte alta em outubro", contextualiza Celso. Aparecem também com altas inflações acumuladas os grupos Transportes (4,31%) e Habitação (2,90%). Com altas deflações no período, aparecem Despesas Pessoais (-2,38%) e Alimentação (-2,22%). Os demais grupos têm inflações/deflações dentro da normalidade.

Maiores e menores contribuições

Os 10 "vilões" da inflação, em outubro:

  • Batata, com inflação de 47,74% e contribuição de 0,12%;
  • Gás em botijão, com inflação de 4,87% e contribuição de 0,08%;
  • Energia elétrica, com inflação de 1,35% e participação de 0,07%;
  • Tênis, com variação de 7,63% e colaboração de 0,07%;
  • Computador, com acréscimo de 3,35% e contribuição de 0,07%;
  • Diesel, com aumento de 2,33% e participação de 0,06%;
  • Calça comprida masculina, com variação de 4,98% e colaboração de 0,06%;
  • Contrafilé, com acréscimo de 9,18% e contribuição de 0,05%;
  • Alcatra, com reajuste de 3,93% e participação de 0,05%;
  • Patinho, com elevação de 10,88% e colaboração de 0,04%.

Já os 10 itens que auxiliaram a reter a inflação, com contribuições negativas foram:

  • Etanol, com deflação de -2,03% e contribuição de -0,04%;
  • Uva, com redução de -38,93% e colaboração de -0,04%;
  • Ovos, com diminuição de -14,59% e participação de -0,04%;
  • Leite pasteurizado, com decréscimo de -2,75% e contribuição de -0,03%;
  • Arroz, com baixa de -2,31% e colaboração de -0,03%;
  • Queijo-de-Minas, com diminuição de -8,06% e participação de -0,03%;
  • Alho, com redução de -24,47% e contribuição de -0,02%;
  • Hidratante, com decréscimo de -4,71%e colaboração de -0,02%;
  • Calça comprida feminina, com queda de -1,51% e participação de -0,02%;
  • Açúcar, com baixa de -3,35% e contribuição de -0,02%.

Segmentos

O grupo Habitação, que possui o maior peso de contribuição para o cálculo do índice mensal, apresentou deflação de -0,26%. Os principais produtos/serviços com aumentos de preços neste grupo foram: liquidificador 10,16%, fogão 8,93%, refrigerador 7,77%, entre outros com menores aumentos de preços. Quedas de preços ocorreram com: inseticida -8,02%, limpa vidros -4,68%, saponáceo -4,38%, entre outros com menores quedas de preços.

Seguindo o comportamento de setembro, o grupo Alimentação apresentou elevação de 0,74%. Os principais aumentos de preços identificados foram com abobrinha (55,47%), goiaba (53,93%), batata (47,74%), entre outros. Fortes quedas de preços ocorreram com os seguintes produtos: uva (-38,93%), alho (-24,47%), mel de abelha, melado e karo (-23,42%), entre outros.

Dos quinze cortes de carnes bovinas pesquisados pelo Nepes da Uniderp, 11 tiveram aumentos de preços. São eles: coxão mole (9,47%), patinho (9,30%), contrafilé (9,18%), filé mignon (4,98%); alcatra (3,93%); vísceras de boi (2,65%); fígado (2,25%); lagarto (1,77%); músculo (1,25%); cupim (0,66%) e acém (0,48%). Quedas de preços ocorreram com picanha (-5,04%), ponta de peito (-4,93%), paleta (-1,68%) e costela (-1,57%).

"Como estamos em plena entressafra do boi gordo, com baixa oferta de animais para o abate, proximidade do final de ano, aumento do consumo de carnes e exportação em alta, já era esperado esse aumento de preços da carne bovina", analisa o coordenador do Nepes, Celso Correia de Souza.

Quanto aos cortes de carne suína, o pernil subiu 1,02%; já a costeleta e a bisteca reduziram -4,52% e -1,07% os preços, respectivamente. Os miúdos de frango congelados reduziram -4,49% e o frango congelado -0,56%. Os miúdos de frango tiveram queda de -3,32% e a versão congelada do frango aumentou 5,02%.

O grupo Transportes apresentou inflação de 0,33%, devido aos aumentos do diesel (2,33%) e automóvel novo (1,19%). Quedas de preços ocorreram com etanol (-2,03%) e ônibus interestadual (-0,04%).

O grupo Educação registrou pequena alta de 0,09%, devido a reajustes nos preços de produtos de papelaria. Já o grupo Despesas Pessoais fechou outubro com índice negativo de -0,21%. Alguns produtos/serviços que tiveram aumentos foram absorvente higiênico (6,36%), protetor solar (2,77%), xampu (1,77%), entre outros. Reduções de preços ocorreram com hidratante (-4,71%), papel higiênico (-2,71%) e sabonete (-2,52%).

O grupo Saúde apresentou deflação de -0,10%, motivada pelas elevações de preços do anti-inflamatório e do antibiótico (1,02%) e antialérgico e broncodilatador (0,62%). Quedas de valor foram identificadas com material para curativo (-1,49%) e exame de laboratório (-0,66%).

Completando o estudo, Vestuário encerrou o mês com alta de 1,76%. Entre os destaques de itens com maiores preços estão sandália/chinelo feminino (7,64%), tênis (7,63%) e sandália/chinelo masculino (5,98%). Quedas de preços ocorreram com camiseta feminina (-7,12%), saia (-2,36%), camisa masculina (-2,06%), entre outros.

IPC/CG

O Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande (IPC/CG) é um indicador da evolução do custo de vida das famílias dentro do padrão de vida e do comportamento racional de consumo. O IPC busca medir o nível de variação dos preços mensais do consumo de bens e serviços, a partir da comparação da situação de consumo do mês atual em relação ao mês anterior, de famílias com renda mensal de 1 a 40 salários mínimos. A Uniderp divulga mensalmente o IPC/CG via Nepes.


Voltar 




Preencha o formulário clicando no botão abaixo e seja o primeiro a comentar esta matéria.
Comente está matéria

Sua Opinião

Se as eleições fossem hoje, em quem você votaria para Governador de MS?

André Puccinelli (PMDB)

Reinaldo Azambuja (PSDB)

Odilon de Oliveira (PDT)

  • votar
  • parcial
Copyright © 2012 Jornal do Ônibus - Todos os direitos reservados