Justiça
19.12.2017 | 16h44 - Atualizado em 19.12.2017 | 15h15
Tamanho do texto A- A+

Justiça bloqueia contas do Corinthians por dívida com empresa de marmitas

Folhapress

A Justiça de São Paulo determinou o bloqueio dos ativos financeiros do Corinthians por conta de uma dívida com a empresa Refine Comercial, que fornecia serviços de alimentação ao clube.

No último dia 9 de outubro, a juíza de direito Márcia Cardoso, da 5ª Vara Cível do Foro Regional Tatuapé, determinou o bloqueio online das contas bancárias do clube por meio do sistema Bacenjud (sistema que interliga a Justiça ao Banco Central), bem como pesquisa de bens junto aos sistemas Infojud e Renajud.

O bloqueio tem o valor de R$ 130.582,50, quantia que será penhorada diretamente dos bens alvinegros. O que será penhorado vai depender do que as pesquisas judiciárias encontrarem em nome do Corinthians.

No último dia 13 de novembro, o advogado Fernando Martinez, do escritório Camilo & Martinez, ingressou com pedido para que os bloqueios sejam penhorados, o que agora aguarda apenas o comando do juiz para ocorrer.

O contrato entre as partes foi assinado em janeiro de 2015, pelo então presidente corintiano Mário Gobbi. A vigência era, inicialmente, de 24 meses.

Porém, oito meses depois, em agosto do mesmo ano, o acerto foi rescindido pelo atual presidente, Roberto de Andrade, que não quis pagar a multa por quebra de contrato.

Procurado, o clube confirmou o bloqueio e vai buscar um acordo com a Refine.

"É uma empresa que prestava serviços ao Corinthians. Estamos sabendo desse bloqueio, mas é de contas do administrativo, nada relacionado ao futebol. Isso vai ser resolvido. Vamos tentar fazer um acordo", disse o advogado do Corinthians, Diógenes Mello.

Em sua defesa, o clube alegou no processo que o Corpo de Bombeiros teria mandado desativar o restaurante em que a empresa operava. Entretanto, a Justiça entendeu que, com base no contrato, era obrigação do Corinthians fornecer local adequado para a prestação do serviço.

A Refine se define no processo como "empresa que tem por atividade econômica a exploração de restaurantes industriais, caracterizada pelo fornecimento de refeições para coletividades (empresas, hospitais, clubes etc), havendo sido contratada pelo Corinthians para administrar seu restaurante e fornecer alimentação a seus empregados e demais comensais autorizados".

Ela fornecia refeição para empregados do Parque São Jorge, sede do clube, e jogadores das categorias de base.


Voltar 




Preencha o formulário clicando no botão abaixo e seja o primeiro a comentar esta matéria.
Comente está matéria

Sua Opinião

Você é a favor do porte de armas para qualquer pessoa?

Sim

Não

  • votar
  • parcial
Copyright © 2012 Jornal do Ônibus - Todos os direitos reservados