Habitação
06.12.2017 | 09h11 - Atualizado em 06.12.2017 | 09h13
Tamanho do texto A- A+

Agência de Habitação vai à Justiça contra irregularidades

Mutirões foram suspensos, mas ajudaram a identificar uso ilícito e venda

Correio do Estado

A Prefeitura de Campo Grande começará 2018 buscando judicialmente a reintegração de posse de pelo menos 118 imóveis entregues pela Agência Municipal de Habitação (Emha), por problemas como o abandono das moradias populares ou suas ocupações irregulares.

Foto: Paulo Ribas / Correio do Estado

.

 

Segundo o diretor-presidente da agência, Eneas José de Carvalho, é a primeira das medidas a serem tomadas em decorrência de mutirão realizado no primeiro semestre do ano para cobrar dívidas dos mutuários.

O balanço total do mutirão ainda é contabilizado, mas a prefeitura já tem uma ideia da eficácia da medida. Negativa. “As pessoas infelizmente só funcionam na base da pressão”, ponderou.

Entregue em 2003, o Conjunto Paulo Coelho Machado, também na região sul, foi um dos locais em que o mutirão fracassou. Com 65% de inadimplência inicial, entre maio e julho, após casos até de agentes do Emha recebidos com truculência, o índice não sofreu alterações.

NEGOCIAÇÃO

Foi aprovado ontem na Câmara Municipal o projeto de lei que cria o chamado ‘Refis da Habitação’e permitirá com que moradores do conjunto habitacional Ouro Verde, no Coophavilla II, região sul, negociem as dívidas de quase R$ 20 milhões.


Voltar 




Preencha o formulário clicando no botão abaixo e seja o primeiro a comentar esta matéria.
Comente está matéria

Sua Opinião

Se as eleições fossem hoje, em quem você votaria para Governador de MS?

André Puccinelli (PMDB)

Reinaldo Azambuja (PSDB)

Odilon de Oliveira (PDT)

  • votar
  • parcial
Copyright © 2012 Jornal do Ônibus - Todos os direitos reservados