29.05.2018 | 09h19 - Atualizado em 29.05.2018 | 09h19
Tamanho do texto A- A+

Documentário gratuito exibido pela Aliança Francesa analisa reflexos da “Primavera de 68”

Os reflexos observados no mundo contemporâneo a partir de um dos mais marcantes eventos do século passado, os protestos ocorridos em 1968, na França, serão relembrados no documentário “Maio de 68, uma estranha primavera”, dirigido pelo historiador e cineasta Dominique Beaux. A exibição realizada pela Aliança Francesa de Campo Grande acontece nesta terça-feira (29.5), às 19 horas, no Museu da Imagem e do Som (MIS). A entrada é gratuita.

.

 

Em memória aos cinquenta anos do movimento, que abriu caminho para a ruptura definitiva dos padrões de comportamento no pós-guerra, o filme relata os acontecimentos na França do ponto de vista daqueles que foram contestados em maio de 68: tiras (o chefe da polícia Maurice Grimaud, simples policiais), patrões, homens de Estado (Edouard Balladur), militares, comunistas destituídos do sonho revolucionário (Pierre Juquin, Claude Poperen).

Ao longo de três horas divididas em duas partes, o filme propõe, sempre respeitando a cronologia dos fatos, a exploração dos meandros de memórias contraditórias e complementares. Há a memória histórica e cinematográfica do diretor e da sua equipe, as lembranças dos seus parentes reunidos no campo, a memória convocada por cartazes que se tornam personagens, a que veiculam as imagens de arquivo, vistas em si, mas também mostradas às testemunhas; em suma, um documentário sendo feito e modificando o olhar tanto dos participantes quanto dos espectadores.

“O filme mostra a que ponto o Estado e o mundo econômico podem rapidamente ficar ultrapassados, simplesmente porque são constituídos de homens, e que uma parte da organização social é baseada em crenças. Os cidadãos de um país, tanto quanto os funcionários de uma empresa, precisam acreditar na legitimidade e na perenidade daqueles que os dirigem. E estes últimos precisam achar que são úteis para a coletividade. Durante alguns dias, em maio de 1968, essas coisas tão simples pareceram abaladas. Tal experiência, que se desenrolou num lapso de tempo tão curto, merecia, ao meu ver, ser estudada com as ferramentas oferecidas pelo cinema”, explica o diretor Dominique Beaux.

A exibição de “Maio de 68, uma estranha primavera” acontece nesta terça-feira (29.5), às 19 horas, com entrada franca. O MIS fica no Memorial da Cultura e da Cidadania, na avenida Fernando Correa da Costa, 559 Centro, no terceiro andar.

Márcio Breda – Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS)

Foto: Divulgação


Voltar 




Preencha o formulário clicando no botão abaixo e seja o primeiro a comentar esta matéria.
Comente está matéria

Sua Opinião

Você é a favor do porte de armas para qualquer pessoa?

Sim

Não

  • votar
  • parcial
Copyright © 2012 Jornal do Ônibus - Todos os direitos reservados