Caldeirão Político

Quinta-feira, 08 de Novembro de 2018, 10h:39

Breaking Bad do Pantanal: droga era enviada para todo país em vendas de grupo fechado do Facebook

Midiamax

Uma família foi presa na última terça-feira (6), em Campo Grande, depis de um laboratório de drogas ser encontrado na residência onde moravam, no bairro Terra Morena. Policiais da Denar fizeram a prisão dos quatro após denúncias anônimas.

Foram presos Roberto de Souza Valiente de 42 anos, Solange Nério de Araújo Valiente, de 42 anos, e os filhos do casal, Thalita Neris Valiente de 23 anos, e João Roberto Neris Valiente de 20 anos. Todos vão responder por tráfico de drogas e associação criminosa.

A denúncia foi feita no dia 30 de outubro, quando Solange foi até uma transportadora para enviar caixas para outro estado. As caixas sempre eram enviadas com nomes falsos tanto do destinatário como de quem estava enviando a encomenda, que na sua maioria tinha notas falsas emitidas de eletrônicos ou capinhas de celulares.

No dia 6 de novembro, Thalita foi até a transportadora para enviar outro carregamento de caixas e se deparou com os policiais que já estavam monitorando os passos da família. Ela disse aos policiais que era droga que estava na caixa e que na residência havia mais entorpecentes.

A jovem ainda falou que os policiais teriam uma surpresa. Na chegada a residência em um quarto foi encontrado um laboratório onde era produzido haxixe e a supermaconha – skunk.

O esquema: o filho do casal era responsável pelas vendas em um grupo fechado no Facebook, onde ele era conhecido por ‘João de Santo Cristo’. A mãe e a irmã faziam a parte de envio da droga e o pai produzia. A droga era prensada a vácuo com um pouco de café para disfarçar o cheiro.

O delegado Pablo Gabriel Farias não quis dar detalhes de como a droga passava pelas transportadoras sem ser notado nada de ilícito. Ele também não deu informações sobre as notas falsas – de suas emissões. Na casa foram apreendidos 110 quilos de droga, prensador a vácuo e máscaras.

Vizinhos teriam dito aos policiais que nunca perceberam que na casa funcionava um laboratório de drogas e também que nunca sentiram cheiro de maconha no local.


Fonte: Jornal do Ônibus

Visite o website: jornaldoonibusms.com.br