Caldeirão Político

Quarta-feira, 21 de Agosto de 2019, 07h:17

Hospital do Trauma: o concreto parado se tornou um dos maiores legados para saúde da Capital

Considerado um dos maiores bens do ser humano, a Saúde requer cuidados. Respeitando esta premissa, o Governo do Estado concluiu a obra do Hospital do Trauma, a entrega colocou fim há 21 anos de espera da população de Campo Grande

Luciana Brazil

De obra inacabada, ele se tornou um dos maiores legados para a saúde da Capital. Por 21 anos o Hospital do Trauma foi apenas um monte de concreto erguido na Rua 13 de Maio, no centro de Campo Grande. Hoje, a obra emblemática saiu do papel e deixou de ser apenas uma construção para, enfim, levar saúde  à população. 

Lançado na década de 90, o projeto passou por várias alterações. No início, a unidade abrigaria uma maternidade e depois seria uma extensão da Santa Casa. Somente em 2005 decidiu-se construir um hospital especializado em trauma. O grande problema é que a obra ficou parada por 20 anos. 

Em 2016, o Governo do Estado retomou a obra, em parceria com o Governo Federal e Prefeitura. Um aporte para a unidade foi liberado no valor de R$ 8,4 milhões – recursos empregados pelo Governo do Estado (R$ 1,6 milhão), Ministério da Saúde (R$ 2,5 milhões), Prefeitura de Campo Grande (R$ 3,2 milhões) e Associação Beneficente de Campo Grande (R$ 890 mil). 

UTIS-3-1024x683.jpg

UTI’s ainda em fase da construção

A conclusão e entrega da unidade, que aconteceu em 2018, foi um dos compromissos da gestão do governador Reinaldo Azambuja com o objetivo de reestruturar o sistema de saúde de Mato Grosso do Sul. Além do repasse para a obra, o Governo do Estado investiu R$ 12 milhões na aquisição de equipamentos e mobiliários para o hospital.

Como a Santa Casa de Campo Grande é referência no tratamento de alta e média complexidade destinado, principalmente, às pessoas que sofrem acidentes de trânsito, a unidade do Trauma foi construída anexa ao prédio do hospital.

A previsão é que o Hospital do Trauma, unidade de urgência e emergência, realize anualmente 10 mil internações, nove mil cirurgias e 10 mil consultas. Com 110 leitos, sendo 10 deles de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) adulto, o Hospital do Trauma foi construído para ser referência em ortopedia e politraumatismo em Mato Grosso do Sul e, além disso, desafogar o sistema, já que o trauma é uma das grandes demandas hospitalares. Dos 100 leitos, 82 já estão ativos. 

“Foi um sonho ver a obra foi finalizada. Como moro aqui perto e costumo fazer tudo a pé, sempre passava em frente à obra e pensava: ‘não vai ter alguém corajoso o suficiente para terminar isso?”, brincou a aposentada que mora há 50 anos no centro de Campo Grande, Noeli Gilemene, 72 anos.

IMG_5219-1024x567.jpg

Elcener faz fisioterapia no Hospital do Trauma

Entre as experiências de quem viu início, meio e fim da obra, surgem também os depoimentos de quem agora precisa do atendimento. Após uma queda de bicicleta, o aeroviário Elcener Martins, 30 anos, quebrou o cotovelo a caminho do trabalho e enquanto aguarda cirurgia para colocar uma placa, Elcener faz exercícios de fisioterapia de prevenção, como bicicleta.

“Não queria estar aqui, claro. Mas só tenho elogios. A acomodação, o ambiente, alimentação, tudo está ótimo, inclusive o atendimento”, disse. 

IMG_5213-1024x567.jpg

Aldeide internado no Hospital do Trauma

O auxiliar administrativo Aldeide Moreira Lima, 35 anos decepou o dedo e foi internado no hospital.  “Decepei o dedo fazendo faixas de gradil. Minha aliança ficou presa e acabei perdendo o dedo. Sei que se não houvesse o Hospital do Trauma eu poderia ainda estar aguardando atendimento. Estou numa situação difícil, mas poderia ser pior”, disse.


Fonte: Jornal do Ônibus

Visite o website: jornaldoonibusms.com.br