Segunda-feira, 22 de Abril de 2019

POLÍCIA
Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2019, 16h:44

Rio de Janeiro

Mulher de PM encontrado morto com um tiro no peito em casa é presa

extra

 

Pâmela Maciel de Assis, de 28 anos, mulher do PM Renato Augusto Barbosa, encontrado morto em casa, em Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio, na madrugada desta segunda-feira, foi presa em flagrante por agentes da Delegacia de Homicídios (DH). O soldado, lotado na UPP do Jacarezinho, foi atingido por um tiro no peito. A Polícia Civil e a Corregedoria da PM investigam se o agente foi assassinado ou se ele se suicidou.

 

Pamela foi presa por fraude processual
Pamela foi presa por fraude processual 

Pâmela foi presa em flagrante pelo crime de fraude processual. Logo após a polícia chegar na casa, a mulher entregou aos agentes a pistola funcional do marido. Inicialmente, ela afirmou que o marido teria se matado com a arma após uma discussão entre os dois. Segundo o primeiro relato da mulher aos policiais, o casal estava em casa com amigos, quando o PM se desentendeu com a mulher após ingerir uma grande quantidade de bebida alcooólica.

Ainda de acordo com a versão de Pâmela, o marido teria ido sozinho para o quarto do casal, deixando a mulher com os convidados. Logo depois, Pâmela teria ouvido um disparo de arma de fogo e foi até o quarto, onde encontrou Renato caído com um disparo no peito.

 

Arma entregue pela mulher inicialmente não foi a que disparou
Arma entregue pela mulher inicialmente não foi a que disparou 

Entretanto, depois de uma perícia no local, os investigadores concluíram que a arma entregue por Pâmela não foi a responsável pelo disparo que matou o policial. A mulher, então, entregou uma outra arma, um revólver que não estava registrado no nome do PM, aos investigadores. O revólver estava escondido numa moita no jardim da casa.

Pâmela explicou que não havia entregue a arma anteriormente porque ela não estaria regularizada. A equipe da DH que estava no local decidiu prendê-la em flagrante e levá-la à sede da especializada para um novo depoimento. Peritos da DH irão fazer uma análise complementar no local do crime para concluir se foi homicídio ou suicídio.

 

Mulher tinha se desentendido com PM
Mulher tinha se desentendido com PM 

Parentes do PM Renato Augusto estiveram na DH e afirmaram aos agentes que não acreditam na versão de suicídio. De acordo com os familiares, o policial estava feliz e não tinha pensamentos suicidas.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

icon-onibus

Rua Dr. Napoleão Laureano,13 - Bairro Santo Antonio - Campo Grande/MS

fn.jornaldoonibus@hotmail.com - CEP: 79100-370