“Eu tenho a experiência que todo político deveria ter que é a de vida”, diz Rose

publicidade

Pegar ônibus lotado, economizar no almoço para conseguir tirar cópias de livros para estudar, dormir com fome para tentar enganar o estômago. Esses são só alguns exemplos que os jovens passam para conseguir se qualificar e pensando nesse “perrengue” que os estudantes passam a pré-candidata ao governo do Estado, deputada Federal Rose Modesto (União Brasil) criou quando foi vereadora de Campo Grande o Vale Universitário que nunca foi levado para frente pelo Executivo Municipal e depois como vice-governadora conseguiu ampliar as vagas para o Vale Universitário e Universitário Indígena. “Eu tenho a experiência que todo político deveria ter que é a experiência de vida. De ter nascido em uma família pobre do ponto de vista financeiro, mas ter entendido a importância da Educação. De saber como é difícil acordar cinco horas da manhã para ir ao trabalho com ônibus lotado, trabalhar o dia inteiro e depois pegar de novo um ônibus para ir na universidade, sendo aluna bolsista. Chegar em casa quase meia noite e não sabendo se vai descansar ou se vai comer, pois no outro dia começa tudo de novo”, explica.

Leia Também:  “Vontade que tenho é encher sua boca de porrada”, diz Bolsonaro a repórter

Essa rotina de vender o almoço para pagar a universidade ou a escola profissionalizante é uma realidade vivida por jovens em todo o Estado. Como é o caso da estudante de contabilidade Mariana Lemes dos Santos, 19 anos, moradora do Jardim Aeroporto, em Campo Grande, que tem que pegar cinco ônibus por dia para se qualificar. “Para quem quer subir na vida se qualificar é bem complicado. Eu pego dois ônibus para chegar no trabalho e todos lotados, muitas vezes sofrendo assédio velado dentro dos coletivos, depois mais um para ir para faculdade e mais dois para voltar para casa. Levando marmita de casa, pois não tenho condições de comer na rua e sabendo se eu comer vai fazer falta para pagar a faculdade ou as contas de água ou luz.”, explica a estudante que está no terceiro ano de contabilidade.

Em 2018, quando Rose Modesto era vice-governadora de Mato Grosso do Sul, ela assumiu interinamente o governo, e assinou a autorização do processo seletivo do Vale Universidade 2018. Foram abertas 550 vagas: 400 no Vale Universidade e 150 no Vale Universidade Indígena.

Leia Também:  Riedel vê cultura como ponto estratégico para o desenvolvimento do Estado

Na época, para os alunos de instituições privadas que são conveniadas ao programa, o incentivo chega a 90%. O Governo do Estado paga diretamente à universidade ou faculdade até 70% do valor da mensalidade e a instituição oferece uma dedução de 20%. Já os estudantes de instituições públicas recebem uma bolsa mensal como incentivo para continuar estudando.

COMENTE ABAIXO:

Compartilhe essa Notícia

publicidade